Deixe-se envolver na História e Património da freguesia e da sua comunidade.

Esta web serie permitir descobrir e sentir o património de S. Victor.

A web serie “São Victor de Portas Abertas” é uma iniciativa da Autarquia de São Victor, em Braga, que visa divulgar o património da freguesia, incentivando as pessoas a descobrir e sentir as suas heranças culturais.

Assista:

Ep01 – A Vida de S. Victor


Este primeiro episódio é dedicado à vida de S. Victor, que nasceu e viveu no Lugar de Passos (perto das Sete Fontes) e morreu na zona das Goladas, onde, mais tarde foi erguida a Capela de S. Victor-o-Velho (Rua Nova de Santa Cruz).

Ep 02 – Igreja São Victor

O episódio 2 da webserie “S. Victor de Portas Abertas” é dedicado à Igreja Paroquial de S. Victor, classificada como Imóvel de Interesse Público desde 29 Setembro 1977. Os primórdios deste Templo podem remontar à época romana, mas quem entra deslumbra-se com a melhor arte barroca, numa fusão de emoções entre o azul dos azulejos e o dourado do altar. Na atualidade, a Igreja cumpre a sua missão espiritual, bem como dá apoio aos casos sociais. A sua vivência é enriquecida por uma comunidade muito expressiva e participativa.

EP03_Espaços Verdes SVictor

O episódio 3 da webserie “S. Victor de Portas Abertas” é dedicado aos Espaços Verdes da nossa Freguesia, nomeadamente àqueles de fruição pública. Assim, apresentamos o Complexo Desportivo da Rodovia, o Parque Arbóreo de Santa Tecla, bem como a própria Via Ciclável, nas margens do Rio Este. Para a prática desportiva, para passeios em família ou para momentos de convívio e lazer, ficam aqui as nossas sugestões.

Ep04_Capelas_São Victor-o-Velho e São Victor-o-Mártir

A vida de Victor, o Santo, ganhou tal importância que no passado erigiram-se capelas a este mártir de Braga. Os locais marcantes da vida de S. Victor ganharam maior destaque com a construção da Capela de S. Victor-o-Velho, associada à sua morte por degolação, e com a construção da Capela de S. Victor-o-Mártir, associada ao local onde terá vivido com os seus pais. Os templos pertencem a cronologias distintas, mas sabemos que S.Victor foi muito acarinhado pelo Arcebispo D. Frei Agostinho de Jesus e, mais tarde, o escultor João Evangelista Vieira foi o responsável pela execução de duas das mais importantes imagens do santo.

Ep05_Capelas_Santa Tecla e Senhor do Alecrim

Este novo episódio de “S. Victor de Portas Abertas” realça a existência de duas capelas de singela arquitectura, situadas em locais distintos da freguesia de S. Victor. A Capela de Santa Tecla, mandada fazer em 1726-29, graças à boa vontade de José Pinheiro Leite, homem influente por ser escrivão apostólico. Já a Capela do Senhor do Alecrim, situada na bifurcação entre Montariol e o caminho de acesso às Sete Fontes, é construída, em meados de 1760, por vontade da população local que pede autorização ao arcebispo D. Gaspar de Bragança para cumprir este sonho.

Ep06_Capela de Guadalupe

A Capela de Guadalupe, situada num dos pontos mais altos do centro da cidade, terá sido construído a partir de 1725, configurando uma singular arquitectura, de planta em cruz grega.”S. Victor de Portas Abertas” dá destaque à Capela de Guadalupe, onde se descobre que o altar-mor é uma obra de André Soares e onde se alberga a imagem de S. Elói, que desfila na procissão de S. João como S. Geraldo, padroeiro de Braga. A Capela está classificada como Imóvel de Interesse Público desde 2012.

Ep07_Recolhimento das Convertidas>

“S. Victor de Portas Abertas” abre, literalmente, as portas do Recolhimento das Convertidas, para uma viagem no tempo…Desde 1722, D. Rodrigo Moura Telles mandou construir esta Casa para albergar e proteger as mulheres. Com o passar dos tempos, este Recolhimento ampliou a sua resposta social e passou a acolher mulheres com várias carências sociais e financeiras. A Casa/Recolhimento das Convertidas está classificada como Imóvel de Interesse Público desde 2011.

Ep08_Cemiterio de Braga_Monte d’Arcos>

O episódio oitavo de “S. Victor de Portas Abertas” é dedicado ao Cemitério de Braga, conhecido como “Cemitério Monte d’Arcos”, fazendo-nos recuar à possibilidade de ali ter passado, outrora, um dos Aquedutos Romanos.Foi inaugurado a 01 de Julho de 1870, após um período controverso de convulsões sociais associadas aos locais de enterramento. O Cemitério, além de um local de devoção, é um lugar de Arte, podendo vislumbrar-se obras de escultura e arquitectura de assinalável qualidade. Podemos destacar as sepulturas da Santa Casa da Misericórdia, o Mausoléu dos Combatentes, o dos Viscondes da Gramosa, do da Família Nogueira da Silva, entre outros. Deixe-se deslumbrar por este “museu de arte ao ar-livre” e continue a acompanhar a webserie “S. Victor de Portas Abertas, que todos os meses, ao dia 15, nos revela um novo lugar da Freguesia de S. Victor.

Ep09_Igreja de Senhora a Branca>

A Igreja da Senhora-a-Branca surge em Braga derivado de um fenómeno/milagre, que aconteceu em Roma, aquando de um forte nevão, em pleno Agosto tórrido. Inicialmente chamada por Senhora das Neves, acredita-se que, mais tarde, foi a população, de uma forma simples, que a designou por Senhora-a-Branca. A Igreja que hoje vemos, enquanto monumento, é produto de várias transformações e adaptações ao longo dos tempos, tendo sido, recentemente, descobertos vestígios da Igreja da época do arcebispo D. Diogo de Sousa. Motivo de grande interesse é o sacrário da autoria de André Soares, bem como os altares laterais do Presépio e dos Reis.

Ep10_Convento Montariol>

O Lugar de Montariol remonta à época dos romanos, contudo a Igreja e Convento de Montariol são fruto da obra da Comunidade Franciscana. Contudo, esta propriedade, inicialmente, pertencia aos Jesuítas e após a sua expulsão foi parar às mãos do Visconde de Negrelos, que ficou conhecido como Conde de Montariol. Mais tarde, este local foi adquirido pelos Franciscanos, tendo sido nacionalizado e ali constituído um Quartel Militar. Hoje, num local absolutamente pacífico, Montariol ganha destaque pela sua vivência religiosa, mas também pelos cuidados que presta à saúde. Também aqui surge o mais antigo presépio movimentado de Braga, que todos os anos é construído pelos Escuteiros do Agrupamento CNE660/Montariol. Uma outra curiosidade desvendada é o famoso “xarope de aloé”, receita de Frei Henrique Perdigão.

Ep11_Património Industrial_Confiança>

Não sendo Braga uma cidade de matriz industrial, é certo que era na Freguesia de S. Victor que se situavam as maiores indústrias, nomeadamente ligadas à produção de chapéus ou sabonetes. A Fábricas “Taxa”, “Industrial” e a “Social Bracarense” marcaram, de forma vincada, o panorama económico da cidade, alavancando a sua actividade no sector dos chapéus.Em 1894, Rosalvo da Silva Almeida e Manuel dos Santos Pereira fundaram a Saboaria e Perfumaria Confiança, projectando o nome da cidade de Braga por todo o mundo. Actualmente, apesar de devoluto, este imóvel assume as características de património, por ser o último testemunho de uma arquitectura industrial, que foi desaparecendo.
O décimo primeiro episódio de “S. Victor de Portas Abertas”, desvenda a localização das Fábricas desaparecidas e debruça-se sobre a História da Saboaria e Perfumaria Confiança.

EP12_Procissao da Burrinha>

O novo episódio de “S. Victor de Portas Abertas” é dedicado ao Cortejo Bíblico “Vós Sereis o Meu Povo”, mais conhecido por “Procissão da Burrinha”. A “Procissão da Burrinha” é uma das mais emblemáticas procissões da Semana Santa e a sua génese remonta ao Séc. XVIII. A Imagem da Senhora da Fuga para o Egipto vai montada numa Jumentinha, simbolizando uma das “Dores de Maria”. Contudo, fruto da influência dos Chapeleiros e Sombreireiros, a Confraria de Santiago vai oferecer um chapéu para a imagem de Maria e para a imagem do Menino Jesus. Com o passar dos tempos, esta imagem torna-se o centro das atenções da Procissão e ganha maior destaque na reconfiguração da Procissão que tem lugar em 1998. A “Procissão da Burrinha” sai para as ruas da cidade de Braga na noite de 4ª feira da Semana Santa e é uma organização conjunta da Paróquia e da Junta de Freguesia de S. Victor.

Ep13_Sete Fontes>

Há locais mágicos na cidade de Braga e as Sete Fontes são um desses lugares. Com o 13º episódio da websérie “S. Victor de Portas Abertas”, pretendemos dar a conhecer um bocadinho da história deste complexo monumental, bem como incentivar as visitas a este Monumento Nacional, classificado desde 2011. Edificado entre 1741 e 1744, sabe-se que esta estrutura esteve em constante desenvolvimento, pois há outras minas datadas de 1752, 1761 e 1804. O próximo passo a dar é conseguir que este espaço verde esteja disponível à fruição pública.

EP14_São Victor Romano>

A Freguesia de S. Victor tem a sua génese na vida do Santo que lhe deu nome. A área da nossa freguesia, apesar de não ter pertencido ao centro de Bracara Augusta, revela alguns achados arqueológicos que comprovam a ocupação romana, sobretudo por influência das duas vias romanas que cruzavam este território. Além disso, podemos, ainda, evocar a memória de uma necróple, de um aqueduto, bem como de um forno de cozedura de materiais de construção, tudo da época romana.O 14º episódio de “S. Victor de Portas Abertas”, revela os testemunhos desse passado distante, relembrando a influência dos romanos nesta zona da cidade de Braga. (Algumas das imagens, não sendo de espólio da Freguesia de S. Victor, visam ilustrar os tópicos abordados).

Ep15_Galeria dos Arcebispos>

A cidade de Braga foi um senhorio eclesiástico entre 1112 e 1792, facto que tornou os Arcebispos nos grandes protagonistas da história de Braga. O melhor local para evocar os mais proeminentes prelados da vasta plêiade que passou pelo sólio bracarense é a Galeria dos Arcebispos, um espaço museológico onde estão expostas 129 telas com os retratos da maioria dos titulares conhecidos da Igreja de Braga. Este conjunto de telas foi mandado executar por D. Frei Agostinho de Jesus no final do século XVI, num momento em que se procurava valorizar a história e a tradição da Igreja bracarense. O retrato mais antigo do conjunto é o do Arcebispo D. Frei Bartolomeu dos Mártires, executado ainda em vida do prelado pelo pintor português António Maciel, por iniciativa de D. Frei Agostinho de Jesus, então titular do sólio bracarense. Este conjunto de telas foi colocado num pequeno edifício setecentista onde outrora esteve instalada a Cúria Arquidiocesana, onde funcionaram, no passado, os serviços centrais da Arquidiocese de Braga. O edifício de dois pisos e reduzidas dimensões, situa-se nos jardins do atual Paço Arquiepiscopal, tendo entrada pela rua D. Manuel Vieira de Matos (transversal da rua de Santa Margarida). O 15º episódio de S. Victor de Portas Abertas permite conhecer um núcleo museológico absolutamente escondido na nossa Freguesia.

EP16_Capela Imaculada>

O XVI Episódio de “S. Victor de Portas Abertas”, desvenda um dos locais mais simbólicos, dimensionados como Património do Século XXI.A Capela da Imaculada situa-se na Rua de S. Domingos, no interior do Seminário Menor(Tamancas).Recentemente reabilitada, esta Capela é um apuro entre a arquitectura e o simbolismo espiritual, conferindo uma magnitude ao local.Tudo aqui tem um sentido e um significado.

EP17_Seminário Conciliar de Braga>

A 8 de Dezembro de 1928 efetuou-se a sagração da primeira pedra daquilo que viria a ser o Seminário Conciliar. Contudo, este só viria a estar pronto a 14 de Março de 1941.Apesar de ter sido construído com a função de Seminário, este edifício já albergou outras valências, tal como a Faculdade de Teologia, a Biblioteca D. Manuel Vieira de Matos e o Arquivo da Arquidiocese de Braga.Além disso, este edifício possui uma Capela de aspecto monumental, onde trabalharam os melhores mestres da arte religiosa da primeira metade do século XX.

© 2012 - 2015 · Oldtimer